O que fala ao coração #13


«A minha ideia é que há música no ar, há música à nossa volta, o mundo está cheio de música e cada um tira para si simplesmente aquela de que precisa», Edward Elgar


Não passo um dia sem ouvir música. Esta semana coloco mais cadeiras na sala, pois o número de convidados aumentou. Em português, escolhi uma das bandas que mais gosto. Com um nome peculiar, e que me chamou à atenção desde o início, o talento é inesgotável. Acredito que quem ouve pela primeira vez não mais quer deixar de o fazer. E não se arrepende da decisão que toma, porque são mesmo muito bons.
 
Trêsporcento. Assim. Dito de uma só vez, sem perder o fôlego. É um nome que fica, ainda para mais se nos permitirmos descobrir o seu trabalho de grande qualidade. São trêsporcento, só de nome, porque a nível de talento são cem por cento mestres, com uma visão musical excelente, que não deixa ninguém indiferente. É por bandas como esta que a minha esperança na música portuguesa nunca esmorece. Porque há quem se preocupe em fazer sempre mais, mas bem. Do melhor que pode existir. 

O principal interesse é «fazer música. Tocá-la para as pessoas». O meu será sempre ouvi-los. De preferência todos os dias. As letras estão muitíssimo bem pensadas e escritas. Com uma qualidade instrumental magnífica. E uma dedicação comovente. Nota-se quando as pessoas fazem as coisas com tanto amor, só pode sair algo deste género. Criativo, original, consistente. As palavras serão sempre poucas para descrever com exatidão a grandeza de pessoas assim. 

É por isto que gosto tanto de música. É por eles. Por aquilo que fazem. Por quem inspiram. Por trilharem um percurso que só pode ser de sucesso e nunca se esquecerem de fazer isto pelas razões certas: porque querem. Porque isto lhes corre no sangue. Porque a verdade deles é aquela que partilham em cima do palco. É um privilégio admirar bandas com tanta habilidade. Com músicas mais ou menos dançáveis, é a mensagem que está por trás que fascina. Que nos faz querer mais. E quando é assim sabemos que pensam mais além. E todos os dias trabalham para que o resultado seja ainda mais impressionante. 

Rendi-me ao primeiro acorde. Conheçam mais dos Trêsporcento através de uma texto de João Amaro Correia:

«Ao segundo passo, retoma-se o trilho prosseguido no anterior trabalho. A palavra como centro de uma música que conta histórias. Narrativas urbanas em ritmos dançáveis segundo o cânone new wave. Mais que escritas como rigoroso exercício de composição, a cada tema de Quadro reconhecem-se partes de cidades e, sobretudo, de vidas que nelas têm lugar. A cadência e a transformação da paisagem urbana e exterior em territórios interiores e íntimos. E é nessa intimidade e intimismo onde crescem as canções de Quadro.
O ethos da new wave que vibra desta música, longe de ser espartilho e baia sonora, é antes o modo de operar. Meio para dizer e contar essas pequenas narrativas privadas, tornando-as por vezes dançáveis e empolgantes. Mesmo que não apontado directamente à pista de dança, é irresistível, na música dos Trêsporcento, a pulsão dançante.»

E descubram a visão que os próprios têm de si nas palavras que nos deixam no site oficial:

«Demos o nosso primeiro, chamemos-lhe assim, "concerto" há sete anos. Há sete anos ninguém fazia ideia do que estava a fazer, a ignorância era total. Mas sabíamos uma coisa: queríamos fazer música. Não houve nenhum plano, nenhum objectivo, para além de querermos fazer música de que gostássemos e mostrá-la aos outros. Em 2008 enfiámo-nos num estúdio para gravar uma maquete - a que chamámos pomposamente um "EP" - que saiu no ano seguinte. O single - uma canção chamada "Macaco" - chegou às rádios no verão de 2009, e tudo o que veio depois disso se deve a ela. De um modo muito ingrato, de então para cá abandonámos essa canção. Achámos que "evoluímos" e que ela já não nos merece. Mas talvez seja uma forma de elogio: "Macaco" era uma canção com uma maturidade maior do que a nossa: tal como nós já não precisamos dela, ela não precisa de nós.
"Espero", que também está nesse EP primitivo, tem uma história oposta. É uma das nossas canções preferidas, desde sempre, talvez porque tem aquela fragilidade das coisas inacabadas a que voltamos recorrentemente. A versão que está nesse EP ainda está contaminada por "Paraiso di gumbe", um álbum de Manecas Costa que ouvimos muito nessa altura, um bailado guineense, de todas as coisas improváveis. Mas mais do que um "estilo" ou uma identidade sonora qualquer, "Espero" é uma canção que vale pelo que está na sua essência. Mais do que gostar ou não gostar dela, "Espero" é como um filho que amamos e tentamos formar. Tentámos regravá-la no "Hora Extraordinária" e depois também no "Quadro" - para mostrar ao mundo como ela tinha crescido - mas nas duas ocasiões sentimos que ela não cabia dentro do estúdio; precisa do espaço do palco e sobretudo da presença do público, que a prolonga no final, conduzindo-nos mais ou menos às escuras.
A gravação desta canção foi um dos grandes motivos para termos decidido fazer este álbum ao vivo. O resultado é este single, que não é um single qualquer: é a história dos Trêsporcento em oito minutos e trinta e dois segundos».











Já conheciam? O que acharam? Qual a vossa música favorita? Contem-me tudo!

Comentários

  1. Cantam super bem e têm letras 5*

    ResponderEliminar
  2. Obrigado minha querida, obrigado mesmo :)

    ResponderEliminar
  3. Olá minha querida :)
    agradeço os parabéns , em nome dele . não sei se o dia dele foi excelente , mas eu pelo menos tentei fazer tudo o que estava ao meu alcance , mas duvido que tenha conseguido :c
    em relação à frase , é mesmo verdade , é uma grande frase , e uma grande verdade ..

    ResponderEliminar
  4. r : óh , não sei se consegui .. não me parece que tenha conseguido :c

    ResponderEliminar
  5. Siempre me descubres grandes músicos ;)

    Besos
    http://shoppingstyle-elena.blogspot.com.es

    ResponderEliminar
  6. A música é bálsamo da vida.

    Interessante, gostei muito.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Gostei bastante do que nos apresentaste hoje, ainda não conhecia a música e gostei muito da segunda. Adoro a tua nova foto, estás super gira!

    ResponderEliminar
  8. Mais um grupo que eu não fazia a mínima ideia que existia e que tu tão bem nos mostraste :) Bom gosto!

    ResponderEliminar
  9. Obrigada por nos dares a conhecer coisas novas. Beijos.,

    ResponderEliminar
  10. resp: foram mesmo bons estes 3 anos, mas também estou ansiosa para ir para a faculdade :)

    ResponderEliminar
  11. resp: está mesmo :s
    é super divertido :)

    ResponderEliminar
  12. foste e és uma das pessoas que mais gosto aqui nesta família :)

    ResponderEliminar
  13. Sempre a dar-nos a conhecer novas bandas ;)

    Sónia
    Taras e Manias

    ResponderEliminar
  14. Também não consigo viver sem música.
    Não conhecia, mas é sempre bom conhecer novas bandas!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  15. A música é TUDO. Não conhecia essa banda. Bem bom!

    ResponderEliminar
  16. resp: vale mesmo querida, filmes de comédia são dos melhores :)

    ResponderEliminar
  17. Não os conhecia gostei do projecto as músicas são giras.
    beijinhos

    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Enviar um comentário