O que li por aí #4

By Andreia Morais - junho 18, 2014


«Tudo se resume a amar e ser amado

Não fala. Não se explica. Não se vê e muito menos se apalpa. A sua dimensão não cabe na própria palavra de definição, nem há palavras exactas que o definam. Não se sabe porquê nem se sabe o sentido na sua existência. Não tem limites quantificáveis nem padrões comportamentais a serem seguidos. Não é incógnito, não é um mistério nem um mito. Ele existe na sua real personificação em actos e euforias sentimentais. Falasse dele soletrando uma palavra, mas essa mesma palavra é tão vazia de conteúdo que nem dele sabe falar na sua plenitude, apenas estabelece uma forma verbal para que possa ser identificado. É muito mais que isso, muito mais que palavras e conceitos. Vai para além das teorias e conversas abstractas. É superior ao desejo humano de egoísmo social estabelecendo pontes entre impossíveis. Não tem cheiro nem cor, pode ser todas as cores ao mesmo tempo, e nesse mesmo tempo não ser nenhuma. Pode tudo e o impossível. Fazemos uso dele mesmo sem sequer ser suposto estar a senti-lo!
 
Não avisa. Surge e instala-se. Sente-se. É a única coisa que é real e coerente dizer-se. Sente-se. A partir deste ponto, nada mais é igual, nada mais é concreto, nada mais é plausível de se previsível. Ficamos subjugados à sua vontade e na qual vamos vivendo segundo a sua rota. Ficamos inconscientes de acções, mas conscientes de que queremos viver com ele para sempre, apesar de negarmos vezes sem conta a sua grandiosidade, pois torna-nos mais vulneráveis. Apesar de fazer doer bem fundo e de levar a insanidade à exaustão, sem ele não saberíamos viver. Apenas sobrevivíamos dia após dia sem conteúdo afectivo, onde as coisas perderam o brilho natural de serem amadas, porque se ele não existisse, não haveria o motivo para se amar. A dor que ele nos deixa não é mais que um bónus de sabedoria que nos permite sentir realmente vivos. Não faria sentido viver sem ele apesar do seu sentido não ser perfeitamente compreendido. Apenas sabemos que aquela sensação exclusivamente pessoal, faz-nos sorrir, faz-nos querer, faz-nos tentar, faz-nos não desistir quando tudo à volta perdeu a vontade, faz-nos querer, faz-nos ser felizes, mesmo não sabendo bem usá-lo em forma de expressão. Só sabemos que estamos com ele naquele momento mortífero em que o Sentimos. 

Quase que magoa a garganta no nó que se forma, nauseados de encantamento ficamos perante aquela figura, ficamos parados no tempo, naquele momento visual que tudo parece ser pequeno face ao que sentimos, onde questionamos tudo, mesmo a nossa real existência. É estranho e contraditório. Sentimo-nos estranhos, irreconhecíveis ao nosso espelho interior. Frágeis na sua presença, triste e vazios sem ele. É maleficamente tenebroso quando não tem forma de retorno. É triste por nos tornar tristes, perigoso por nos controlar os actos, é alheio a quaisquer éticas sociais. Mas é demasiadamente bom de ser negado, de ser ignorado. É avassaladoramente saboroso mesmo no seu lado imperfeito para deixar de ser sentido. Por ele fazemos tudo, sem ele somos nada. Não vale de nada palavras complexas e rebuscadas para o tentar exprimir. Ele é a complexa forma da simplicidade traduzida em afectos. Tudo se resume ao amar e ser amado. A sua exuberante simplicidade é que nos faz ser complexos perante tal força sem definição. Não vale a pena tentar perceber ou questionar, e muitos menos tentar explicar em forma de frases sem sentido directo de interpretação. Apenas se deve sentir e vivê-lo. De outra forma não saberemos viver com ele, e sem ele não se vive o expoente máximo da felicidade. Ele, na primeira pessoa a que chamam Amor». 


Ana Soares da Silva Rodrigues Neto, 
in «Textos de Amor – Museu Nacional da Imprensa»

  • Share:

You Might Also Like

27 comentários

  1. É isso mesmo. Mas eu sei que não vale a pena. Finalmente, sei. E estou preparada para partir.. custe o que custar.

    ResponderEliminar
  2. Tem que ser mais forte ou o passado assombra-nos para sempre.

    ResponderEliminar
  3. resp: sempre já foste ver o filme ? :)
    desculpa a demora a responder :s

    ResponderEliminar
  4. Pois isto deu erro... o amor tanto é bom como é mau, mas infelizmente não podemos viver sem ele

    ResponderEliminar
  5. Adoro, adoro a imagem *-*
    Em relação ao texto .. totalmente verdade :)

    ResponderEliminar
  6. Sim seguias querida, era a mel...a rapariga que fazia textos profundos! Ainda tenho o blog ativo, mas mal escrevo nele.

    MORNING DREAMS

    ResponderEliminar
  7. resp: ainda bem mor :)
    Adorei mesmo o baile de finalistas, obrigada *

    ResponderEliminar
  8. R: Obrigada :) É mesmo bom saber que pensas isso da minha escrita, embora aqui no blogue eu utilize uma escrita diferente, mais descontraída. E, claro, já sabes que sou fã da tua escrita!

    Sofia Silva

    ResponderEliminar
  9. Adorei o texto :)))
    Assim que possa vou-me atualizar dos teus posts anteriores, tenho saudades de te ler... tenho andado sem tempo!
    Sempre com ótimas escolhas musicais :)
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  10. Um óptimo texto o mau têm o seu lado bom e mau.
    beijinhos
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  11. Adorei o texto... É assim mesmo.

    Super Beijo!

    chuvadecamelias.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  12. vais conseguir ;)
    estou a torcer para que sim :p

    ResponderEliminar
  13. Reciprocidade
    é a palavra.

    Desejo
    um feliz dia
    e
    Bjins
    CatiahoAlc./ReflexodAlma

    ResponderEliminar
  14. O amor, o amor é uma coisa linda e mágica.
    PS: Quando quiseres ir assistir a um concerto do Pablo Alborán, diz-me. :P Já vi alguns e cada vez gosto mais.

    ResponderEliminar
  15. Andreia este texto é perfeito :) Tudo se resume a amar e ser amado... mesmo.
    Adorei e não o conhecia, obrigada por partilhares ;) acho que um dia destes também o publico se me permitires, lá vem o namorado dizer que é só lamechices, mas ele, no fundo adora.. ehehehe
    Beijinho

    ResponderEliminar
  16. O amor e um sentimento tão dicotómico...

    ResponderEliminar