As minhas viagens de metro #16


«A saudade não está na distância das coisas, mas numa súbita fractura de nós, num quebrar de alma em que todas as coisas se afundam», Vergílio Ferreira 


Li algures que hoje é o dia da saudade. Consegues adivinhar em quem pensei primeiro?

Sou feita de saudades, porque há muita coisa que me enche o coração. Tenho saudades de palavras, de atitudes, de lugares, de pessoas, de momentos, de abraços, de beijos na testa, de sentimentos e sensações, de mensagens, de chamadas, de sorrisos e gargalhadas, de cheiros, do silêncio; saudades do ontem, do agora, do que ainda não conheço.

Corre-me no sangue esta vertente saudosista que me preenche o rosto com um sorriso largo. É que, para mim, sentir saudades é bom. E ainda que não viva do passado, nem me deixe prender por ele, permito-me senti-las todos os dias. Bem do lado de fora do coração. Na palma da mão. Na pele eriçada. Em tudo o que sou. Nunca as temos por pessoas, momentos, lugares que nos fazem mal, mesmo que depois não façam mais parte da nossa história. Permanecerão sempre as boas recordações, aquelas que, em tempos, nos fizeram ser felizes. E essas memórias não pretendo apagar. Em nenhum momento. Viro apenas a página, e sei que posso folhear novamente para trás quando bem me apetecer, sem sentir o peso de uma recaída.

Um dia quase que cometi o erro de pensar - e afirmar em silêncio - que já não era mais eu se não estivesses aqui comigo. Um erro. Dos grandes. Porque continuo a ser a mesma que sempre fui, mesmo sem ti. Minto! Talvez seja ainda mais forte. Determinada. Lutadora. A minha principal defensora, até porque aprendi a proteger-me, a colocar-me em primeiro lugar para me impedir de sofrer. Mais. Pelo desgosto de te ver virar as costas de rompante. Sem aviso. Sem uma palavra. Apenas com o silêncio de te ver partir. 

Ainda dói? Hoje já não. E as saudades que sinto serão sempre por tudo aquilo que partilhamos de bom. Não me quero esquecer de ti, nem da história que construímos. Isso fará parte de mim até ao dia em que a minha viagem terminar. E acredita, se me leres, que mesmo repetindo tantas vezes a dor que foi ver-te sair da minha vida sem avisar isso deixou de ter um impacto negativo. Aprendi. Cresci. E segui em frente. De ti falarei sempre o melhor, porque é impossível falar mal de alguém que, um dia, nos fez tão feliz. Não consigo fazê-lo. Nem quero. Não te devo nada, nem tu a mim. Foi no exato momento em que defini isto que me permiti viver sem ti. E aceitar definitivamente que partiste. Partimos os dois. Para lados opostos da vida.

«Amar é querer sempre o melhor para a outra pessoa». Talvez por isso te vá amar para sempre. Mesmo que hoje passe por ti na rua e só reconheça os contornos do teu rosto e não mais os do teu coração. Mesmo que não voltes a ser quem foste, quero-te bem. Para sempre! Sou feita de saudades. Não sei viver sem ter saudades. E nem o tempo é capaz de levar isso de mim. Só leva as pessoas, não aquilo que me corre nas memórias e no coração.  

Consegues adivinhar em quem pensei primeiro? A vida pode ter-te levado para o lado oposto do meu mundo, longe o suficiente para já não fazeres parte dele, e ter-te obrigado a deixar cair a máscara, ainda assim continuo - e continuarei - a ter saudades tuas. 


M, 30.01.2014

Comentários

  1. Oh .. lindo o texto!
    Eu sou uma pessoa que também tem muitas saudades de tudo lol

    ResponderEliminar
  2. Foi aqui no teu blog que eu ouvi falar pela primeira vez nesta campanha do Gesto Verde xD

    MORNING DREAMS

    Sofia Silva

    Beijos*

    ResponderEliminar
  3. Pois é :) Sim, concordo completamente. Conhecer artistas novos é sempre bom.

    ResponderEliminar
  4. Sim acho que foi das primeiras vezes em que visitei o teu blog :)

    ResponderEliminar
  5. As saudades são assim.

    Disseste tudo.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Que lindo, eu também sou uma pessoa saudosa.:)

    ResponderEliminar
  7. Que lindo, tão lindo este texto... e triste ao mesmo tempo.. porque quem deixa essa saudade partiu, mas ficam os momentos que viveste... Mais um texto escrito com a alma, com o coração e eu entendo-te tão bem nestas palavras, a saudade é o tudo de bom que já vivemos, temos saudades desses momentos e de quem nos desperta este sentir.. eu neste momento estou cheia de saudades do que vivi de bom e do meu amor claro :P

    Beijinhos Andreia :)

    ResponderEliminar
  8. Quando se ama as saudades são inevitáveis. Não são, necessariamente, uma coisa má. Ajudam-nos a recordar, a sentir. Mantém vivas as pessoas.

    ResponderEliminar
  9. R. Levamos praticamente as mesmas coisas :)

    ResponderEliminar
  10. resp: foi o meu baby que me disse esta frase, achei-a tão linda logo :)

    ResponderEliminar
  11. A saudade faz parte de nós...

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  12. adoro a tua maneira de escrever, é inspiradora! :)

    ResponderEliminar
  13. Lindo o texto! Adorei!

    http://meninadoscremes.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  14. Que lindo o texto, o tempo não pára a saudade é que nos faz parar no tempo nas mais simples coisas tais como: a coragem, a resistência, o domínio dos nossos medos e na ausência deles.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  15. Penso sempre na saudade como uma prova de que o passado valeu a pena. Nesse sentido, ainda bem que sentimos saudades, é sinal que tivemos bons momentos.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário