À boleia do mundo #2 (Parte 2)


Capítulo 2 (continuação)
03.08.2014


Fátima é o Santuário, o Museu das Aparições, a Igreja nova e todos os seus recantos. Mas é, principalmente, as pessoas, a fé que as move. As promessas que fazem e que cumprem. Estive quase a desfazer-me em lágrimas por ver uma jovem a chorar enquanto dava voltas à capela das aparições de joelhos e com o filho ao colo. Não escondo, mexe comigo. E isto só nos mostra que ali não há idades e que estamos longe de conhecer as histórias de cada um.
Pela primeira vez, pelo menos que me lembre, e enquanto esperava que a minha mãe desse as suas cinco voltas a pé, vi a procissão sair. E tenho que realçar a simpatia de um senhor que pediu à mulher para se chegar mais para ele para que eu me pudesse juntar às grades para fotografar o momento. Acho que era Espanhol, mas aqui o que importa é o gesto, que sendo simples foi suficiente para que não mais me esquecesse. 
Antes de ir embora fui comprar mais um dedal para a minha coleção.

12h00: Hora de deixar o local que tantas vezes visito, com a promessa de voltar. Se correr bem em setembro venho trajada, se não em fevereiro voltamos a encontrar-nos. Agora vamos sem destino certo.

(Freguesia de Atouguia-Fontaínhas da Serra-Murtal-Mourã-Atouguia-S. Sebastião)

Ao longe, lá bem no alto, avista-se o Castelo de Ourém.

(Pinhel-Melroeira-Corredoura-Ourém)

A rotunda de Vila Nova de Ourém é toda catita. 

(Vale da Aveleira) 

12h26: Paragem rápida no Continente para comprar coisas de última hora para o piquenique. 
Júlio Magalhães, encontrei um livro teu a metade do preço. Finalmente vamos encontrar-nos literariamente este verão. 

12h48: De volta à estrada.

(Lagarinho-Alcaidaria-Freguesia de Alburitel-Alburitel)

Que paz olhar em meu redor e ver os terrenos planos e extensos, casas ao longe pintadas de branco e janelas azuis, o céu coberto de nuvens que mais parecem pedaços gigantes de algodão. Que bom que é fechar os olhos e sentir o cabelo a ondular por causa do vento e o sol a queimar-me a pele. Temos a estrada praticamente só para nós. E a sua imensidão leva-nos para um mundo a descobrir. 
Esta paisagem de árvores estrategicamente colocadas, com casas espalhadas nos seus intervalos, é um cenário de luxo para quem gosta de observar. Faltam-me as palavras para descrever com justiça e explicar o quanto é prazeroso ver as casas rurais perfeitamente desalinhadas. 

(Tomar)

É-me familiar a sua beleza, o seu jardim, o rio Nabão, o Infante Henrique que nos recebe, o Convento de Cristo que vejo ao longe, o Hospital de fachada deslumbrante, as Matas Nacionais, a Comissão de Iniciativa e Turismo, a igreja de Nossa Senhora da Conceição,...

13h24: Paramos para tirar fotografias ao Convento de Cristo e Castelo dos Templários. É esplendoroso e merece uma visita com mais calma. Tenho que voltar para o percorrer no seu todo. Por ter sido construído ao longo de vários séculos, esta fortaleza apresenta vários estilos arquitetónicos e tem imensos pontos de interesse. Fica-se mesmo fascinado com a sua beleza, o seu espaço envolvente, a sua dimensão e a vista que nos parece abraçar.

13h30: Voltamos a descer, desta vez para almoçar. O local escolhido é a Mata Nacional dos Sete Montes. São servidos?

14h30: Findo o almoço, vamos até ao centro de Tomar passear, tirar fotografias e carregar o coração com mais recordações.

A Mata Nacional dos Sete Montes é um espaço bastante agradável, com um jardim muito bonito, dois parques de merendas (pelo menos) muito asseados, parque infantil e dois caminhos pedestres que, confesso, não sei onde terminam. Um dia descubro.
Saímos rumo ao centro histórico, percorrendo as suas ruelas antigas, de calçada gasta e algumas cruzes da ordem dos templários. Entramos na igreja de São João Baptista e ao sair fui atraída pelo Fado de Gisela João, cujo CD tocava numa loja. A cantarolar, entrei até porque gosto de ver artesanato e porque pretendia comprar mais um dedal. Acabamos por ficar à conversa com a dona do estabelecimento, uma senhora extremamente simpática e atenciosa, e descobrimos que o marido é de S. João da Madeira. A Festa dos Tabuleiros também foi abordada. Para o ano, quem tiver oportunidade (e esperando enquadrar-me nesse grupo), passe por aqui de 4 a 13 de julho, altura da festa, sendo que o dia mais importante é o 12, porque é quando ocorre o cortejo. A única vez que a vi foi pela televisão e vale bem a pena. Prometo voltar!

16h05: Carro ligado, é hora de rumar a outras paragens.


Continua... 
(qualquer dúvida não hesitem, deixem nos comentários ou mandem e-mail)

Comentários

  1. Quero saber mais, estou super curiosa!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  2. Penso tantas vezes o mesmo que tu quando vou a Fátima. Tenho uma promessa para cumprir, ir lá a pé!

    ResponderEliminar
  3. Agradeço imenso o teu comentário tão amoroso! ♥
    Beijinhos,
    The Inside Of Vogue

    ResponderEliminar
  4. Que linda a primeira foto :)
    Quero ver mais ;)

    ResponderEliminar
  5. r: sim querida tens razão.
    agora resta-me ser feliz com o que tenho :)

    ResponderEliminar
  6. Que grande viagem, hein?

    Bem gostaria de te ser co-piloto.

    Gostei muito do itinerário.

    Beijinhos


    ResponderEliminar
  7. Que viagem gostei, mais uma vez gostei da tua visita guiada pelas tuas palavras
    beijinhos
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. A fé é realmente algo tocante. Lindo santuário.

    Super Beijo

    chuvadecamelias.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  9. Opá Portugal tem coisas tão mas tão lindas... E pensar que muitas vezes damos prioridade ao que há lá fora sem ter a mínima noção da riqueza que temos cá dentro... Somos um bocado parvos ;)

    R: se és romântica acho que irias gostar da série :D

    ResponderEliminar
  10. Assim dá gosto ler estes textos, quero a continuação querida, beijinho.

    ResponderEliminar
  11. Uma colega minha de faculdade é de Tomar e deixou-me o bichinho de visitar esse local. Tu só acabaste de aumentar o bichinho :) Que excelente descrição!

    ResponderEliminar
  12. R: sem dúvida! Portugal é maravilhoso! Eu sou apaixonada pelo meu país ;) relativamente ao medo... bem, se seria mais feliz ou não eu não sei, mas sei que seria mais livre e talvez ser livre como gostaria de ser e não sou me deixasse mais feliz do que sou agora. Um dia pode ser que descubra :D

    ResponderEliminar
  13. resp: foi o meu boy que me disse a frase :)

    ResponderEliminar
  14. Belo relato da tua viagem :)

    http://checkinonline.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  15. Adoro a maneira como descreves as tuas viagens, parece que estou a vivê-las contigo. :')

    ResponderEliminar
  16. Adoro Fátima e adorava ir lá trajada também

    ResponderEliminar

Enviar um comentário