#Grita nas Fnac's

By Andreia Morais - abril 18, 2017


«Grita! Diz o que tens a dizer. Tens-me sempre do teu lado. Há tanta coisa a acontecer, mesmo quando o mundo está parado»


O reencontro com Os Aurora devia ter acontecido no passado dia 24 de março, no Hard Club, mas a vida trocou-me as voltas e, mesmo tendo bilhete comprado, tornou-se impossível estar presente. No entanto, a oportunidade de ouvir o Grita ao vivo não tardou. E chegou em dose dupla!

Uns dias depois do concerto, para minha felicidade, anunciaram a tour grita nas fnac's. E houve um dia específico que me suscitou particular atenção: 13 de abril. A dois dias do meu aniversário, ofereci-me a possibilidade de os ir ver à Fnac de Santa Catarina (18h30) e à Fnac do Norte Shopping (22h). Não podia ter escolhido prenda melhor.

Nada substitui o ambiente de um concerto num espaço como o Hard Club, porque as condições são outras, mas confesso que adoro o caráter intimista que uma Fnac adquire. Estamos mais próximos. As vozes evidenciam-se. E a energia é completamente diferente. Não dá para comparar, são contextos que exigem características distintas dos artistas, ainda que exista algo que se mantém: o compromisso. E o talento que nos conquista ao primeiro acorde. 

O palco é o mundo deles. A naturalidade com que se apresentam ao público é notória, assim como é a vontade de inovar. De não seguir sempre em linha reta, conferindo uma nova roupagem às suas canções, mesmo que não seja na integra. Durante 50 minutos (mais coisa, menos coisa), cantaram, encantaram e proporcionaram um momento bastante agradável e memorável a quem esteve presente. É impressionante como as músicas têm ainda mais impacto. Como as letras fazem muito mais sentido quando as ouvimos a um palmo de distância dos artistas. É por isso que se pudesse seguia todos os concertos, porque, por maior que seja a gratidão de ter em mãos o trabalho daqueles que admiramos, é neste contacto direto que sentimos a genuinidade das interpretações. As expressões. A energia. O brilho no olhar. A verdade. E acho que verdade é mesmo uma das palavras que os define, quer seja no discurso, quer seja na postura e na forma como se fazem chegar a quem os acompanha. E a quem acabou de os descobrir.

Brindaram-nos, naturalmente, com algumas canções do álbum de estreia, mas também houve tempo para uma versão fantástica da I Don't Live Forever, de Zayn e Taylor Swift. Como sempre nos habituaram, foi uma interpretação que fez total justiça ao original, mas preservando e demonstrando aquilo que são Os Aurora. E a diferença que os caracteriza desde que se formaram. Relativamente aos originais, claro que o desejo era de os poder escutar a todos, mas as escolhas não defraudaram as expectativas. Muito pelo contrário. E conseguiram criar um fio condutor, que nos permitiu vivenciar diferentes estados de espírito, mas sempre de sorriso rasgado.  
Sou uma eterna apaixonada pelo som da guitarra, mas não posso deixar de destacar o quanto adorei ouvir o acrescento do cajón. O ritmo fica muito mais contagiante. Para além disso, há uma melodia em particular que me continua a encher as medidas. Qual? As suas vozes, que são incríveis individualmente, mas que se tornam extremamente harmoniosas no conjunto. É, sem qualquer lugar para dúvidas, um privilégio ouvi-los. E ao vivo, então, torna-se indescritível. Porque se há algo que me conforta é saber que quer tenham cinco mil pessoas à sua frente, quer tenham cinco a entrega será a mesma. É isto que os faz felizes. E a emoção que senti também foi muito por culpa desta certeza.

Alguém me perguntou porque é que ia às duas Fnac's se ia ver a mesma coisa. Ri-me. E a minha resposta foi simples: primeiro, porque são Os Aurora e iria vê-los uma vida inteira sem me cansar; segundo, porque nunca há concertos iguais. Apesar de olhar à minha volta e reconhecer que a maior parte das caras presentes eram as mesmas, muitas outras eram totalmente desconhecidas. O público, o local, o ambiente influenciam e implicam novas abordagens. Eles defenderam-se bem nos dois momentos, porque todo o seu trabalho é carregado de qualidade. Fizeram-nos sentir em casa, mesmo que eles próprios sejam de pontos distintos do país. E que bonito foi encurtarmos essa distância geográfica quando cantamos a uma só voz. Já nos deram a volta. E agora não há volta a dar.

Este Grita espelha um percurso de muita luta. E ambos os showcases foram especiais. Vim embora de coração cheio. E acho que não sei descrever as saudades que tinha de os ter tão perto. De os ver atuar ao vivo. De sentir magia a acontecer. E é ainda mais gratificante agora porque são eles em nome próprio. São as suas músicas. O seu trabalho. Como é bom dizer isto vezes sem conta! Nunca lhes consigo dizer nada de jeito - a culpa é dos nervos -, mas espero que saibam que o orgulho é infinito.

Como estamos no Norte, só tenho mais uma coisa a acrescentar: foi do caralho! Voltem rápido.

  • Share:

You Might Also Like

14 comentários

  1. Ohpah gosto tanto da forma como me falas deles que tambem ja os adoro :) E tao bom ver alguem falar assim da sua banda preferida, lembras-me tanto eu na minha adolescencia :) Confesso que os conheci atraves de ti, e este album so pelo nome tem tudo de bom :)
    Desejo-lhes de coracao muitas felicidades e muito sucesso :)
    Muitos Bjinhosss
    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
  2. Uau!!!! que encontro maravilhoso linda postagem, ótima semana para você, obrigado pela visita.
    Blog: https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderEliminar
  3. Adorei a forma como falas deles, brilhante! Acho que deveriam ler o teu texto =)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Só tenho duas palavras para te dizer: sua sortuda!


    Com muito carinho,

    Diamonds In The Sky, Daniela Silva

    ResponderEliminar
  5. vê-se que gostas mesmo deles, Andreia :)

    ResponderEliminar
  6. Também gosto não tanto como tu!
    Kis :=}

    O rapazinho louro está demasiado magro

    ResponderEliminar
  7. Tu adoras os Aurora ;)
    Eu conheço poucas musicas deles, vou estar mais atenta :)
    Beijinhos Andreia

    ResponderEliminar
  8. Sou como tu! Quando gosto de uma coisa vejo vezes sem fim, ouço infinitamente.

    ResponderEliminar
  9. Pois é!

    Com certeza um momento inesquecível! Nada melhor do que ver ao vivo uma banda que gostamos muito!

    Ótima terça!

    Beijo! ^^

    ResponderEliminar
  10. Eu não gosto dessa música do Zayn e da Taylor Swift.
    Mas de resto gosto de tudo, os Aurora, além de terem uma sonoridade muito própria, são excelentes no que fazem. E são mesmo bonitos, se eu entrasse numa agência de modelos e pedisse quatro rapazes giros dificilmente chegariam aos calcanhares destes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso, gosto bastante da música. Acho que está uma colaboração bem conseguida.
      Os Aurora são incríveis e têm conseguido construir um percurso sólido e muito singular, o que é ótimo. Sim, é verdade, também são bonitos :) *

      Obrigada pelo comentário!

      Eliminar