Entrelinhas #19

Imagem retirada do google

«Uma jovem herda uma mansão histórica e as chaves para decifrar um mistério. Será que o amor também faz parte de tão surpreendente legado?»


Jardim de Alfazema foi outro dos livros que comprei no Bazar Encontramos em Veneza, da Maria Francisca. É em edição de bolso e o seu título chamou-me logo à atenção. Apesar de não conhecer a obra de Jude Deveraux, achei que devia arriscar, até porque me pareceu o tipo de história que é capaz de me prender facilmente. E não me enganei!

A narrativa desenvolve-se na encantadora cidade de Edilean, no Sul dos Estados Unidos. E importa destacar o cuidado na análise da autora relativamente ao ambiente social da época. Além disso, as personagens foram muitíssimo bem construídas. E a sua caracterização, direta e indireta, é descrita com inteligência, o que, naturalmente, ajuda a tornar a história mais rica.

O prólogo é fantástico! E logo aí percebemos que somos convidados a desvendar várias camadas, ao mesmo tempo que seremos confrontados com temas/questões bastante atuais. No fundo, faremos um caminho de descoberta sobre o passado e sobre os próprios princípios e valores dos protagonistas - e dos nossos também. O legado que Miss Edi deixa a Jocelyn abre a porta para um mundo misterioso. E carregado de surpresas.

Lidamos com uma grande tragédia, com negligência parental, com o desenterrar do passado, com a revelação de segredos; com a morte, a perda, a dor, a omissão da verdade e uma família desestruturada. E sentimos, com igual impacto, o quanto é crucial fomentar amizades fortes, a importância que têm nas nossas vidas; o quanto nos conforta ter alguém que lute por nós, que nos salve de nos perdermos, que nos ame e nos projeta. Paralelamente, acompanhamos uma vida a mudar, a tentativa de aproximar duas pessoas, as dúvidas, os receios e o nervosismo. E o reaprender de algumas coisas. Há, ainda, lugar para confidências, para o alerta sobre as primeiras impressões [que, por vezes incorretas, limitam a forma como encaramos e tratamos os outros]; para intrigas e maledicências; para provocações, ciúmes e inveja; para hostilidades, sarcasmo e brincadeiras. E, sendo uma cidade pequena, tudo acaba por se saber. No entanto, não pensem que é uma leitura sofrida e pesada. Há humor. E uma escrita leve, fluente e extremamente envolvente. 

À medida que vamos avançando, as pontas soltas começam a atar-se. E o mais interessante é conseguirmos fazer esse caminho como se estivéssemos lá, o que só é possível porque a autora se revelou uma excelente contadora de histórias. Outro dos aspetos que mais me fascinou foi a forma como Miss Edi pretendeu contar a verdade: deixando pistas para Jocelyn descobrir. Isso obriga-a a procurar respostas e a ultrapassar diferentes sensações e estados de espírito. O seu sentido de oportunidade e de humor é incrível!

Imaginem como seria descobrir que uma cidade inteira, por mais pequena que seja, conspira o vosso futuro e age para o direcionar para determinada rota. Que consequências terá esta revelação? Como será que as personagens lidarão com o seu destino? Será que tudo é o que parece? É curioso e assustador como um mal entendido pode mudar todo o nosso rumo.

Não queria, seguramente, que o livro terminasse, porque transporta uma verdadeira história de amor, cheia de peripécias. E que acaba por nos permitir acompanhar duas histórias em simultâneo, sem que estas se atropelem e se tornem discrepantes. Jardim de Alfazema alterna, de forma perspicaz, mistério, tradição e afetos. Lê-se num sopro. E é uma surpresa do início ao fim!


Deixo-vos, agora, com algumas citações:

«- Fez muito por Edilean. A senhora...
- Sim, eu sei, minha querida. Paguei coisas, escrevi cartas e não baixei os braços quando nos quiserem tirar as nossas casas. Fiz tudo isso, mas foi fácil. Apenas foi necessário dinheiro e algum barulho. Contudo, não emendei alguns erros que se cometeram quando eu era jovem» (p:7);

«Pela forma como ele a olhava, Jocelyn não sabia se devia cair-lhe nos braços ou pô-lo fora de casa e trancar a porta» (p:75);

«Luke pensou no assunto por um momento. Se havia cartas entre Edi e Alex, Luke não duvidava de que Ramsey as tivesse lido e mantido em segredo. Não era de admirar que Ramsey andasse a perseguir Jocelyn tão intensamente...» (p:171);

«- Não posso pedir-te que me acompanhes - disse ele, exasperado. - Tenho... tenho umas coisas a falar com o meu avô e não posso levar-te.» (p:264);

«- Não. Refiro-me ao seu testamento - replicou Joce, pondo a cabeça entre as mãos. - Finalmente entendo» (p:349).

You Might Also Like

20 comentários

  1. Gostei mesmo muito do teu review minha querida :) leitura leve que nos transporta para a história :)
    Bjinhosss
    https://matildeferreira.co.uk

    ResponderEliminar
  2. Parece ser uma história super interessante, fiquei mesmo curiosa. Sem dúvida que um mal entendido pode mudar rumos e estragar vidas.

    ResponderEliminar
  3. Apesar de não ser o tipo de literatura que me atrai parece muito interessante a história.

    ResponderEliminar
  4. Fiquei muito curiosa com a volta que o livro dá, apesar de agora andar noutra onda, confesso. Mas gostei imenso da tua review!
    THE PINK ELEPHANT SHOE // GANHA UM MEGA CABAZ DE FAVORITOS DA ESSENCE

    ResponderEliminar
  5. Já li um livro sobre essa autora, mas confesso que não me lembro qual. Mas fiquei curiosa, vou pesquisar qual foi eheheh

    ResponderEliminar
  6. Tenho esse livro há uns quantos anos, mas não sei porquê vai sempre ficando para trás e nunca o li.
    Depois de ver a tua opinião vou certamente lê-lo em breve!
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  7. Já ouvi falar bastante do livro e depois desta opinião vou certamente comprar!

    Beijinhos
    That Girl | FACEBOOK PAGE | INSTAGRAM | TWITTER

    ResponderEliminar
  8. Também já li esse livro, há já muitos anos e recentemente consegui a versão digital mas preferi não ler. Adoro ler livros e os que ja li em papel prefiro não reler em formato digital.
    r: Os meus pais também são o meu exemplo de amor, estão casados há 20 anos. E namoraram 4. A minha mãe ficou grávida e foi expulsa de casa mas o meu pai ficou sempre com ela. Agora mesmo com a doença da minha mãe, consigo ver que ainda há muito amor mesmo. Um beijinho grande

    ResponderEliminar
  9. Nunca li nada dessa autora, talvez esteja na altura de começar (;

    ResponderEliminar
  10. Fiquei super interessada por este livro depois de ler a tua resenha. Ainda vou ler este livro.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Já tinha ouvido falar desse livro. Estou super curiosa para o ler mas ainda tenho dois na estante para "despachar" antes :p
    http://bloguedacatia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. A acertou mesmo em cheio,
    pela leitura se apaixonou
    já leu todo o seu recheio
    perfeito, não se enganou!

    Tenha uma boa noite menina Andreia, um abraço.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  13. Hummmmm misterioso :)
    Parece interessante.
    Beijinhos Andreia

    ResponderEliminar
  14. R: Obrigada minha querida. Infelizmente e como diz no texto ainda não nos reconhecem devidamente, mas tenho esperança que em breve vejam e dêem valor ao nosso trabalho e parem de nos tentar encaixar noutras profissões. Quantas vezes me dizem "ahh, isso é tipo fisioterapia?". Digamos que somos complexo sim, juntamos um pouco de tudo, mas cada profissão é uma profissão.

    ResponderEliminar
  15. Obrigado, minha querida :P
    Já sabes como sou. Tento sempre fugir um bocadinho à regra :P

    Deixaste-me muito, muito curioso!!! É daqueles livros que também gosto muito de ler :o

    NEW REVIEW POST | CLINIQUE: The best and complete BB CREAM EVER !!!
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar