Entrelinhas #22

By Andreia Morais - setembro 28, 2017

Fotografia da minha autoria

«Uma história terna que apresenta uma exposição sentida sobre a tristeza e a solidão, dotada de uma filosofia ansiosa e poética, que revela algumas reflexões sobre o que de facto são os valores da vida»


O Principezinho dispensa apresentações! Foi dos primeiros livros que li. E, muito provavelmente, sem que desse conta disso, foi o grande impulsionador para que encontrasse nas palavras a desculpa perfeita para viajar sem sair do lugar. Esta história mágica, carregada de valores, esteve (e continua) presente durante a maior parte do meu crescimento. E cada releitura não faz com que perca o seu encanto. Muito pelo contrário! Até porque há sempre «uma forma diferente de [a] ler e ver».

O Expresso e a Visão desafiaram dois autores a «enriquecer uma obra única (...) que nunca mais parou de deslumbrar gerações de crianças e adultos no mundo inteiro». São eles: José Luís Peixoto, que fez acompanhar nas margens do texto de Antoine de Saint-Exupéry os seus comentários manuscritos sobre o mesmo, e Hugo Makarov, ilustrador e tatuador, que ficou responsável pelas novas ilustrações da narrativa. Naturalmente, não podia deixar de adquirir esta edição de colecionador, não só pela minha paixão incondicional pela obra, mas também pela curiosidade que estas duas novidades portuguesas despertaram. 

Tenho que começar por referir que as ilustrações são lindíssimas! Hugo Makarov fez um trabalho brilhante, conferindo realismo e fascinação nas diversas partes da história. Por seu lado, as anotações de José Luís Peixoto fazem-nos compreender melhor determinadas passagens, apresentando alguns factos curiosos, que relacionam várias áreas de conhecimento. No fundo, é como se tivéssemos narrativas paralelas, mas sem que isso nos confunda. E, depois de tantos anos, continuo a achar a dedicatória fabulosa. É a demonstração de que as páginas que se seguem só podem contar algo maravilhoso!

As mensagens sucedem-se, porque é daqueles livros que nos ensina a cada palavra. E que nos faz querer ser melhores. Além disso, mostra-nos o quanto a criança é um ser capaz, inteligente e resiliente. E que nós, adultos, temos muito a aprender com elas. Enquanto as crianças veem para além do óbvio, as «pessoas crescidas» acabam por analisar determinadas situações com menos arrojo, como se crescer as levasse a perder a capacidade de imaginar e de questionar. Ainda assim, ninguém sabe tudo! E o caminho de descoberta é longo. Para ambas. Durante este percurso, somos confrontados com o valor das relações, a necessidade de aprovação e aquilo que isso implica, o sentido de responsabilidade, a vulnerabilidade inerente e o aprender a lidar com os nossos sentimentos. 

O autor torna-nos, muitas vezes, parte do enredo. E José Luís Peixoto alerta-nos para uma questão importante: a interpretação varia consoante o recetor. Por isso, inevitavelmente, os pontos de vista podem divergir. Uma observação que me chamou à atenção foi a crítica ao modo como tratamos certos assuntos, sobretudo quando dizem respeito aos outros. Isto porque parece que os nossos problemas é que são mais importantes e graves. Contudo, não podemos desvalorizar as dores alheias apenas porque não as sentimos. Simultaneamente, há outras particularidades que me fascinam: a relação do Principezinho com a rosa, de pura ternura, que nos demonstra o quanto precisamos dos outros; o diálogo entre o piloto e Principezinho, onde existem muitas perguntas e poucas respostas; e a sucessão de viagens, que nos possibilita o encontro com diferentes valores, pessoas, mentalidades, experiências e aventuras.

O Principezinho, enquanto livro, apela à nossa imaginação, à vontade de sairmos da nossa bolha de conforto e ao bom senso de não nos esquecermos daquilo que é realmente importante. Enquanto personagem, o Principezinho cresce e faz-nos crescer consigo. Mostra-nos que há muita coisa que desconhecemos. E que há uma beleza muito própria no ato de cativar e de cuidar. É das mensagens mais simples e poderosas. Porque tudo tem um significado diferente quando se cativa e se é cativado.

Há frases deste livro que são intemporais, bem como todas as suas lições. E ainda que o final deixe muitas questões em aberto, talvez essa seja a maior resposta de todas, pois há coisas que precisamos de descobrir e aprender por nós. É, para mim, um clássico inquestionável, com um valor incalculável. E sinto que me acrescenta a cada nova leitura!


Deixo-vos, agora, com algumas citações:

«Peço às crianças que me perdoem por dedicar este livro a uma pessoa crescida. Tenho uma desculpa muito importante» (p:9);

«- Um dia, vi o sol pôr-se quarenta e três vezes!
E um pouco mais tarde, acrescentaste:
- Sabes... Quando se está mesmo muito triste, adora-se o pôr do sol...
- No dia em que o viste quarenta e três vezes, estavas assim tão triste?
Mas ele não me respondeu» (p:38);

«A relação do príncipe com a flor apresenta uma ilustração genérica, simples e direta das questões que são levantadas pelo amor» (Comentário José Luís Peixoto, p:42);

«- Mas é claro que eu te amo - disse-lhe a flor. - Nunca soubeste disso, por minha culpa. Não tem importância. Mas tu foste tão tonto como eu. Trata de ser feliz... E deixa essa campânula em paz. Já não a quero» (p:50);

«Em que língua falarão uma serpente e um extraterrestre? Em francês?» (Comentário José Luís Peixoto, p:88) 

  • Share:

You Might Also Like

23 comentários

  1. É mesmo um livro que dispensa apresentações minha amiga, um marco na literatura.
    Um abraço e continuação de boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
  2. É das melhores versões deste livro que vi, mas sou suspeita ;). Adoro as ilustrações, deram mais brilho à história e claro para fãs sérios do JLP é uma preciosidade. Serei uma eterna apreciadora do seu trabalho. Gostei imenso e fez-me gostar ainda mais da história.

    Beijinhos, querida! :*

    ResponderEliminar
  3. Ohpah adoro :)
    Que versão linda :)
    Onde e que posso encontrar?
    Bjinhosss

    https://matildeferreira.co.uk/

    ResponderEliminar
  4. Já estive com ele nas mãos, o de uma amiga! Posteriormente irá deixar-me lê-lo, mal posso esperar :)

    R: digo-te o mesmo, estou à distância de um comentário/email!

    ResponderEliminar
  5. é dos meus livros preferidos de sempre! adoro cada palavra!

    ResponderEliminar
  6. Só li este livro já na faculdade (por empréstimo de uma colega) mas apaixonei-me. Fiquei curiosa com esta edição, tenho que ver se a encontro!

    ResponderEliminar
  7. A minha prima usa a mesma máscara e adora de morte ahah mais uma coisa em comum!

    Sou fã do Principezinho, como bem sabes, mas essa versão eu não conhecia!!! Tenho de o achar!

    NEW OUTFIT POST | FORMAL CHIC + I need your help! :O
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  8. Dispensa mesmo apresentações. Um dos livros mais amorosos e doces que já li, adoro!

    THE PINK ELEPHANT SHOE // Giveaway: Ganha 80€ em Maquilhagem!

    ResponderEliminar
  9. É um clássico. Ler todo ainda não li, o meu irmão tem. Mas sou uma apaixonada pelas citações que vou encontrando.

    Beijinho || Daniela Silva | Blog

    ResponderEliminar
  10. Olá, excelente sugestão para leitura.
    Continuação de feliz e bom fim de semana,
    AG

    Fiz do meu estro uma vara
    Para medir a verdade
    E dar com ela na cara
    Do cinismo e da vaidade

    ResponderEliminar
  11. Andreia é um livro encantador com uma boa leitura, um clássico fascinante, Andreia bjs.
    http://www.lucimarmoreira.com/

    ResponderEliminar
  12. Foi a primeira peça que vi no teatro, nunca mais me esqueci :P

    ResponderEliminar
  13. Uma obra intemporal, que vale a pena ser lida de vez em quando.
    Continuação de boa semana, amiga Andreia.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  14. Não conhecia esta versão!

    Beijinhos,
    Inês
    http://www.indiglitz.pt

    ResponderEliminar
  15. Devo ser das poucas pessoas que leu o livro e não o achou nada de especial!

    Bjxxx
    Ontem é só Memória | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  16. Ainda tenho esse livro,li e reli várias vezes com os meus filhos.
    Bjs

    ResponderEliminar
  17. Adoro o livro, mas a edição de coleccionador não tenho, deve estar fantástica :)

    Beijinhos da Mó
    O blog da Mó | Instagram

    ResponderEliminar
  18. Gostei muito e sinceramente não conhecia :)

    PS : Obrigada pelo apoio, amanha vou tentar resolver o problema que me meteram em mãos e depois à noite digo-te se consegui :)

    ResponderEliminar
  19. Uma excelente dica; Eu não tenho o livro mas pretendo adquirir. Não dá pra ficar sem esse clássico não é?
    Beijos

    ResponderEliminar
  20. Uma obra prima, uma leitura necessária sempre, e essa versão deve ser interessante, onde se consegue?

    ResponderEliminar
  21. Tenho de conhecer esta versão, adoro as citações que partilhaste.
    Deve ser tão fantastico.

    ResponderEliminar
  22. "Corremos o risco de chorar um pouco quando nos deixamos cativar"

    ResponderEliminar